Paredes da cidade...paisagem.

Todo risco que te escrevo...
é jeito covarde de ser...
ou mesmo estratégia de aconchego.
Todo risco é recado... desespero.
É forma de encarar o seu cheiro... 
É vaidade. Saudade...

Saudade é o que mais vejo 
nessa cidade que me abraça 
e que me embala.

Saudade da sua fala, 
da sua mão na minha, 
da sua vida na minha, 
da sua visita...
Por isso e por mais, 
risco um verso... 
e tudo que era para ser de papel, vira paisagem.