Saída.

Inventei agora pela manhã, um poema sem memória... um objeto delicado, sem lastros, sem calma... Algo de quem salga a água e desanda o dia... Poesia. Coisas que vêm. Coisas que ficam. (Vão!).