Chiado.






As vezes sonho que estou nas ruas do Chiado.
Chiando baixinho.
E de repente. Já passou. Não é nada.

As vezes sonho acordada. Caminho acordada.
E respiro uma dor.

Mas, se fecho os olhos. Nada.
E ela dança nas águas. Calma.
E chora nas águas...
Muito mais calma ainda.

As vezes sonho e, as vezes, sumo.
Do mundo. Para sempre. Adeus.
Quase tudo...

As vezes é mesmo preciso. Muito.
Daí... Eu vou. E eu volto.
Imagino uns desejos.
Os despejo.
Vou e volto.
Fim.