Primeiro Poema.


Olha eu,
Cá de cima.
Olhando pra baixo de
tudo...
Pra debaixo da asa,
Caçando uns assuntos.
Esperando um poema...
olha lá.

Olhando pro mundo...
olha lá!
Olha a rua.

Que corre por dentro do fundo de mim.
[E você, sorrindo.
Tão lindo. Tão lindo. Tão.]
Eita,
que hoje de manhã me
peguei fotografando janelas...
entendendo umas
línguas - todas elas.

[E você, cantando. Um
criolo tão lindo. Tão lindo. lndo.]
Palavras que correm
por debaixo da saia delas.

Por debaixo das conversas... delas...
pelas ruas da
Reboleira.
Aonde caminham...
Romenas, portuguesas, Yennengas, sudanesas.
Brasileira[s]. E Vanessa.
Como a menina nova de
vestido roxo,
me bisbilhotando,
ontem,
no corredor de
entrada do prédio mais alto.
Nosso prédio.
Primeiro prédio.
Na Amadora.

Primeiramente.
Amadoramente.
Nossa. Casa.
Primeira. Muitas delas.
E eu... olha eu, cá
de cima da vida.
[E você, sorrindo.
Lindo. Preto. Amigo. Lindo]
Comendo facebook, no pão com manteiga.

[Nessa] Manhã de domingo.
No primeiro poema da
casa.