Prontidão.



Como um blog, ele estava lá, todos os dias, pra me cuidar, me erguer... um guardador das minhas memórias tristes, das minhas ausências ternas... ele estava lá, todos os dias, como um ente querido... um ser vivo. De prontidão para o mundo que podia cair em cima de mim... Todos os dias... Sentinela, de resguardo. Por mim... pra mim. Todos os dias... assim, de prontidão profunda, no pátio de bronze, entre todas as Yennengas possíveis. Todos os dias, pra mim... por mim. E mais nada.

Postagens mais visitadas