É, Brasa, mora.

eu sei que as coisas saem do lugar, saem do caminho, minha avó me contou direitinho. que a vida fica fora do eixo e do ninho. e, de longe, ninguém mais se importa, ninguém mais se encontra. nessa cidade - de cimento, cinza e sombra -, o vazio se ocupa de gente. de insolação e poesia. numa abreviação do dia, do caminho, da porta. é que o grande barato é querer ficar sozinho, na vírgula, feito espasmo e espera. feito esboço e altura. coisa à toa. outra estória.

Postagens mais visitadas