Cabeça de porco.

Vendo tudo... passaporte,
identidade e memória.
Vendo tudo...
inclusive minha glória.
Pedaço por pedaço,
cabeça, ombro, baço.

Vendo tudo... meus sonhos, meus vícios.
A saudade que me assola...

Vendo tudo, meu bem,
vendo até quem nem me olha... quem escolheu ir embora.

Vendo o que pertence ao tempo.
E me desfaço, sem drama, inclusive dos desejos.
Das ausências e das taras...
Vendo tudo. Todas elas.
Escorrendo, gotejando...
palavra por palavra, silêncio por silêncio.

Vendo tudo, meu bem. Até as manhãs... E mais nada.

(ou VENDE-SE TUDO).

Postagens mais visitadas